domingo, 6 de março de 2011

Políticas Educacionais na área da Gestão Escolar

Inúmeras são as políticas educacionais voltadas para a gestão escolar. Programas são uma constante no cenário nacional objetivando a tal sonhada qualidade do ensino público. Como lócus de produção e apropriação do saber historicamente produzido pelo homem, a escola encontra-se como o cerne da materialização de tais políticas, implicando o envolvimento de todos os sujeitos na implementação dessas  proposições.
Dentre algumas dessas políticas voltadas para a gestão escolar estão: o Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares; o Programa de Desenvolvimento da Escola PDE; o Programa Dinheiro Direto na Escola PDDE, entre outros. O primeiro consiste em uma política de incentivo e apoio a implantação dos conselhos nas escolas publicas, bem como fortalecer a atuação dos já existentes. Configuram-se, historicamente como espaços de participação de professores, funcionários, pais, alunos, diretores e comunidade na gestão da escola. Como órgão colegiado, tem a função deliberativa, consultiva, fiscal e mobilizadoras, promovendo a cultura da gestão democrática nas escolas publicas. Compete-lhe a tarefa de analisar as tarefas a serem empreendidas e os meios a serem utilizados para o cumprimento das finalidades da escola.
O segundo consiste em um plano estratégico para fortalecer a autonomia da gestão escolar a partir de um diagnóstico dos problemas de cada escola, as causas, dificuldades, potencialidades, bem como a definição de um plano de gestão para a melhoria dos resultados, com foco na aprendizagem dos alunos. O PDE visa definir o que é a escola, o que ela pretende fazer, onde ela pretende chegar, de que maneira e quais os recursos vai utilizar em cada ação.
 E por fim o PDDE Programa Dinheiro Direto na Escola consiste na assistência financeira as escolas públicas da educação básica. O objetivo desses recursos é a melhoria da infra-estrutura física e pedagógica, o reforço da autogestão escolar e a elevação dos índices de desempenho da educação básica. Os recursos do programa são transferidos para a escola de acordo com o número de alunos, conforme o censo do ano anterior.
Tendo em vista a especificidade dessas proposições para a gestão escolar, verifica-se a intenção positiva dessas políticas no tocante a melhoria da qualidade do ensino publico. Porém, diante de diversas propostas voltadas para esse fim, observam-se na prática que, a causa da deficiência do ensino público brasileiro não é falta de plano, e sim o acúmulo destes,  que deixa muitas vezes as Equipes Gestoras correrem contra o tempo. 
Por conta disso a ineficiência e ineficácia no que tange a implementação de tais proposições é uma realidade corriqueira no cenário da gestão escolar, comprovado pelas más condições das escolas públicas e pela correria dos seus gestores, frente as inúmeras atribuições que lhe são conferidas: o caráter burocrático, o caráter pedagógico, o caráter mediador entre a escola e os diferentes segmentos da comunidade são alguns exemplos.    
Outro agravante nesse sentido, é a qualificação desses gestores, que em sua, maioria não recebe nenhum treinamento ou preparação para exercer sua função. Na pratica esses problemas  reflete negativamente no interior da escola, favorecendo para a mera rotinização e burocratização das suas atividades, que em nada contribui para a eficiência na realização de seu fim educativo. Infelizmente tais exemplos são inerentes na vida cotidiana das escolas públicas brasileira, sendo que na minha não é diferente. Diante disso o gestor tem que se conscientizar que ele sozinho não pode administrar todos os problemas da escola. O caminho: o compartilhamento de responsabilidades com alunos, professores, funcionários, comunidade.                 
Mediante o exposto vê-se a necessidade de implementações de políticas para a reestruturação das Equipes Escolares dando-lhes condições de atuarem de forma mais especificas nas respectivas áreas e funções. É preciso também mais investimento no aspecto estrutural e físico das escolas para que os programas e projetos sejam executados com mais ênfase e sucesso.     

         
            





       

Um comentário:

  1. OLá, professora. Gostei do seu blog, pois há conteúdos excelentes. Sugiro que visite o meu blog e, se gostar, seja uma seguidora. Aformo que já estou seguindo o seu.
    Forte abraço!!
    Atenciosamente,
    Prof. Jose Nicolau

    ResponderExcluir