sábado, 30 de abril de 2011

História do Piauí - V

TESTE OS SEUS CONHECIMENTOS

1) Analise as afirmações a seguir e dê como resposta a seqüência dos itens corretos
I- a Balaiada foi um movimento que teve grande participação da elite oligárquica, dentre os quais, latifundiários e comerciantes
II - iniciado no Ceará, esse movimento atingiu o território piauiense, devido o medo da elite latifundiária de perder os seus privilégios e o poder local
III-  a situação de miséria da maioria da população explorada pelos grandes latifundiários, contribuiu para a eclosão da Balaiada no Piauí
IV- o recrutamento militar forçado, foi outro fator que levou a eclosão da Balaiada no Piauí       
a (  ) somente a I e II
b (  ) somente a II e III
c (  ) somente a I, II e III
d (  ) somente a III e IV
e (  ) somente a II

2) Sabemos que nada acontece fruto do acaso. Nesse sentido quais eram os principais objetivos da Balaiada no Piauí?
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
3) No Maranhão e Piauí, o movimento denominado Balaiada(1838-1841)conduziu um amplo setor de marginalizados, escravos, vaqueiros e artesão a uma intensa luta contra o autoritarismo do regime. Em 1839 os principais municípios do Maranhão estavam ocupados pelos participantes da Balaiada. No Piauí, o movimento atingiu vários municípios dos quais podemos identificá-los como sendo os de:
a (  ) Campo Maior, Parnaíba e Corrente
b (  ) Parnaíba, Parnaguá, Jaicós e Jerumenha
c (  ) Campo Maior, Barras, Parnaguá, Parnaíba, Estanho, Piracuruca, Uruçuí e Curimatá   
d (  ) Picos, Paulistana, Floriano, Uruçuí e Barras
e (  ) Amarante, Oeiras, Parnaíba, Marvão, Curimatá e Estanho

4) Com relação o contexto socioeconômico de Oeiras  durante os séculos XVIII e XIX que podem ter influenciado o aparecimento de propostas de transferência da Capital é INCORRETO afirmar: 
a (  ) no contexto social apresentava uma oligarquia arcaica e sem nenhum sentido progressista
b (  ) no contexto econômico, apresentava uma economia baseada na pecuária extensiva, e pela ausência de um comercio desenvolvido e de atividades industriais
c (  ) a economia foi afetada pela localização geográfica de Oeiras e pela deficiência das estradas terrestres, o que dificultava o contato entre a capital e o restante da província
d (  ) no contexto socioeconômico, a oligarquia interessada em aumentar o seu prestigio, o seu poder e influencia diante as cortes, apoiou Conselheiro Saraiva em seu projeto de Transferência da sede do governo para a Vila Nova do Poti

5) Julgue as afirmações a seguir como verdadeiras ou falsas       
(  ) a Lei dos Prefeitos, dava direito aos presidentes das províncias de nomearem os prefeitos para os municípios
(  ) no Piauí a Balaiada contou com o apoio de pessoas abastadas e da população pobre insatisfeita, com a política do Barão da Parnaíba e a Lei dos Prefeitos
(  ) as propostas de Transferência da Capital foi rejeitada pelas famílias ricas de Oeiras que não queriam perder todos as vantagens que possuíam enquanto habitantes privilegiados da capital
(  ) Conselheiro Saraiva foi o primeiro presidente da Capitania a enviar um oficio ao governo da metrópole sugerindo a transferência da capital do Piauí para as margens do rio Parnaíba

6) Como local escolhido por Conselheiro Saraiva para a instalação da nova sede do governo, podemos apontar:
a (  ) a cidade de Parnaíba
b (  ) a Vila Nova do Poti
c (  ) São Gonçalo(atual Regeneração)
d (  ) a cidade de Campo Maior
e (  ) a cidade de Picos
   
¨7) Seu governo caracterizou-se pelo clientelismo, pela cobrança indiscriminada de impostos e pelo uso da força como forma de repressão. O texto retrata algumas características do governo de :
a (  ) Manoel de Sousa Martins
b (  ) D. João de Amorim Pereira
c (  ) Conselheiro Saraiva
d (  ) Clodoaldo Freitas
e (  ) Gregório Taumaturgo de Oliveira 

8) Escreva um pequeno texto com base no que você entendeu sobre as razoes que levaram a Transferência da Capital de Oeiras 1-

 GABARITO

1- D
3- C
4- D
5- V, V, V, F
6- B
7- A

História do Piauí - IV

 TESTE SEUS CONHECIMENTOS

1) Sobre o mandonismo, poder político que surgiu nos primeiros tempos de colonização do Piauí é INCORRETO afirmar:
a (  ) Surgiu pela ausência de um poder constituído(poder oficial)
b (  ) Foi uma forma de poder político exercido pelos fazendeiros, a qual cabia -  lhe determinar todas as ordens
c (  ) Surgiu pela ausência de um braço da Coroa que fiscalizasse e disciplinasse a sociedade piauiense
d (  ) Era uma forma de organização social de elite, originaria pela concessão de sesmaria
e (  ) Nenhuma alternativa é incorreta

2) Com relação ao inicio da sociedade piauiense, analise as alternativas e dê como resposta a alternativa dos itens corretos .
I- Iniciou-se com a criação da freguesia de Nossa Senhora da Vitória, pois era desejo da Coroa organizar a sociedade desta região de acordo com o modelo social projetado por Portugal  para as terras do Brasil
II- A organização social da população piauiense deu-se através da formação da família conjugal
III- Iniciou-se principalmente por meio da criação de aldeamentos de índios e pela fundação de Missões jesuítas para difusão da fé católica
a (  ) Somente a I está correta
b (  ) Somente a II está correta
c (  ) Somente a III está correta
d (  ) Somente a I e II estão corretas  
e (  ) Somente II e III estão corretas

3) Constituiu fatores que contribuíram para a formação da elite colonial piauiense:
a (  ) A pecuária como elemento econômico colonizador do Piauí
b (  ) O trabalho de evangelização e difusão da fé católica pelos jesuítas
c (  ) A posse de grandes extensões de terras, casamento consangüíneos e obtenção do poder político
d (  ) O mandonismo, a pecuária e casamento consangüíneos
e (  ) N.D.A

4) Como modelo dominante de ocupação no Piauí, pode destacar:
a (  ) As missões jesuíticas
b (  ) As fazendas de gado
c (  ) A criação de freguesias
d (  ) O surgimento de vilas
e (  ) A criação da Capitania do Piauí    

5) Marque V para verdadeiro e F para falso, conforme as proposições a seguir.
(  ) A crise do açúcar brasileiro, devido a concorrência do açúcar antilhano contribuiu para o desenvolvimento da pecuária e consequentemente para o aumento do numero de fazendas no Piauí
(  ) O tipo de administração que prevaleceu nas fazendas de gado no Piauí colonial, foi a do proprietário absenteista 
(  ) Os escravos piauienses eram provenientes principalmente de origem indígena
(  ) As fugas de escravos no Piauí se tornaram intensas na época da Balaiada, devido o desenvolvimento desta revolta no estado

6)Entre os grupos sociais apontados nas alternativas abaixo, assinale aquela que contenha apenas os que são mais representativos da estrutura da sociedade piauiense colonial       
a (  ) sesmeiros, posseiros, escravos e vaqueiros
b (  ) vaqueiros, arrendatários, burocracia militar, pequena classe media urbana
c (  ) padres, soldados, jagunços e vagabundos
d (  ) escravos, vaqueiros, roceiros imigrantes europeus

7) O inicio da ocupação do atual Estado do Piauí, como de outras regiões do interior nordestino, está ligado a uma importante atividade econômica desenvolvida no Brasil colonial. Essa atividade foi:
a (  ) A extração mineral
b (  ) A pecuária
c (  ) A exploração açucareira
d (  ) a exploração do cacau
e (  ) a produção da borracha   
8) A pecuária colonial piauiense utilizou o trabalhador escravo em suas fazendas. Analise as proposições sobre o referido tema e assinale a alternativa correta
I- a maioria dos escravos empregados nas fazendas nacionais eram africanos
II- a incompatibilidade entre pecuária e escravidão foi defendida por alguns historiadores devido a natureza extensiva dessa atividade e que empregava poucos trabalhadores livres
III- No Piauí as famílias de escravos eram duradoras e as mesmas tinham a promessa de alforria com a morte de  um dos conjugue
IV- O escravo foi empregado nas mais diversas atividades: vaqueiro – auxiliar, feitor, roceiro(agricultura de subsistência), enfermeiro, coureiro, etc.

a (  ) Todas as proposições são verdadeiras 
b (  ) Somente as proposições I, II e IV estão corretas
c (  ) Somente as proposições I e IV estão corretas
d (  ) somente as proposições III e IV estão corretas
e (  ) Todas as proposições são falsas     

9) Quais foram as causas do absenteísmo nas fazendas de gado no Piauí colonial?

1-d
2-d
3-c
4-b
5-V, V, F,V
6-a
7-b
8-b




                              









domingo, 3 de abril de 2011

História dos números

          Para descobrir sobre a origem dos números, precisamos estudar um pouco da história humana e entender os motivos religiosos desses criadores. Na verdade, desconhecemos qualquer outro motivo que tenha gerado os números.
        Os historiadores são auxiliados por diversas descobertas, como o estudo das ruínas de antigas civilizações, estudos de fósseis, o estudo da linguagem escrita e a avaliação do comportamento de diversos grupos étnicos desde o princípio dos tempos.
          Os homens primitivos não tinham necessidade de contar, pois o que necessitavam para a sua sobrevivência era retirado da própria natureza. A necessidade de contar começou com o desenvolvimento das atividades humanas, quando o homem foi deixando de ser pescador e coletor de alimentos para fixar-se no solo.
          O homem começou a plantar, produzir alimentos, construir casas, proteções, fortificações e domesticar animais, usando os mesmos para obter a lã e o leite, tornando-se criador de animais domésticos, o que trouxe profundas modificações na vida humana.
          As primeiras formas de agricultura de que se tem notícia, foram criadas há cerca de dez mil anos na região que hoje é denominada Oriente Médio.
          A agricultura passou então a exigir o conhecimento do tempo, das estações do ano e das fases da Lua e assim começaram a surgir as primeiras formas de calendário.
          No pastoreio, o pastor usava várias formas para controlar o seu rebanho. Pela manhã, ele soltava os seus carneiros e analisava ao final da tarde, se algum tinha sido roubado, fugido, se perdido do rebanho ou se havia sido acrescentado um novo carneiro ao rebanho. Assim eles tinham a correspondência um a um, onde cada carneiro correspondia a uma pedrinha que era armazenada em um saco.
          No caso das pedrinhas, cada animal que saía para o pasto de manhã correspondia a uma pedra que era guardada em um saco de couro. No final do dia, quando os animais voltavam do pasto, era feita a correspondência inversa, onde, para cada animal que retornava, era retirada uma pedra do saco. Se no final do dia sobrasse alguma pedra, é porque faltava algum dos animais e se algum fosse acrescentado ao rebanho, era só acrescentar mais uma pedra. A palavra que usamos hoje, cálculo, é derivada da palavra latina calculus, que significa pedrinha.
          A correspondência unidade a unidade não era feita somente com pedras, mas eram usados também nós em cordas, marcas nas paredes, talhes em ossos, desenhos nas cavernas e outros tipos de marcação.
          Um dos sistemas de numeração mais antigos que se tem notícia é o egípcio. É um sistema de numeração de base dez e era composto pelos seguintes símbolos numéricos:
          Os Babilónios foram um povo da Antiguidade que viveu no Médio Oriente.  Escreviam os símbolos numéricos com caracteres cuneiformes, ou seja, em forma de cunha, gravados em placas de argila que depois eram cozidas.
    Os símbolos que usavam eram os seguintes:

         Foi há cerca de 2000 anos que os Hindus (no Norte da índia) começaram a usar símbolos numéricos que deram origem aos numerais agora usados por nós.
        Na primeira linha da imagem, numerais de há 1000 anos. Na segunda, há 800 anos. Na terceira, há 600 anos. Na última, numeração actual.

Nas suas relações comerciais com os árabes, os Hindus terão usado esses sinais numéricos, que os árabes adoptaram e espalharam pelo mundo, chegando à Europa.
          Só há cerca de 800 anos é que os Hindus, além dos símbolos dos números, tiveram também o mérito genial de inventar o zero. Vários antropólogos procuraram explicar como pode ter surgido esta ideia do nada, tão importante para a Matemática.

sábado, 2 de abril de 2011

História do feijão

Existem diversas hipóteses para explicar a origem e domesticação do feijoeiro. Tipos selvagens, similares a variedades criolas simpátricas, encontrados no México e a existência de tipos domesticados, datados de cerca de 7.000 a.C., na Mesoamérica, suportam a hipótese de que o feijoeiro teria sido domesticado na Mesoamérica e disseminado, posteriormente, na América do Sul. Por outro lado, achados arqueológicos mais antigos, cerca de 10.000 a.C., de feijões domesticados na América do Sul (sítio de Guitarrero, no Peru) são indícios de que o feijoeiro teria sido domesticado na América do Sul e transportado para a América do Norte.
Dados mais recentes, com base em padrões eletroforéticos de faseolina, sugerem a existência de três centros primários de diversidade genética, tanto para espécies silvestres como cultivadas: o mesoamericano, que se estende desde o sudeste dos Estados Unidos até o Panamá, tendo como zonas principais o México e a Guatemala; o sul dos Andes, que abrange desde o norte do Peru até as províncias do noroeste da Argentina; e o norte dos Andes, que abrange desde a Colômbia e Venezuela até o norte do Peru. Além destes três centros americanos primários, podem ser identificados vários outros centros secundários em algumas regiões da Europa, Ásia e África, onde foram introduzidos genótipos americanos.
O gênero Phaseolus compreende aproximadamente 55 espécies, das quais apenas cinco são cultivadas: o feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris); o feijão de lima (P. lunatus); o feijão Ayocote (P. coccineus); o feijão tepari (P. acutifolius); e o P. polyanthus.
Os feijões estão entre os alimentos mais antigos, remontando aos primeiros registros da história da humanidade. Eram cultivados no antigo Egito e na Grécia, sendo, também, cultuados como símbolo da vida. Os antigos romanos usavam extensivamente feijões nas suas festas gastronômicas, utilizando-os até mesmo como pagamento de apostas. Foram encontradas referências aos feijões na Idade do Bronze, na Suíça, e entre os hebraicos, cerca de 1.000 a.C. As ruínas da antiga Tróia revelam evidências de que os feijões eram o prato favorito dos robustos guerreiros troianos. A maioria dos historiadores atribui a disseminação dos feijões no mundo em decorrência das guerras, uma vez que esse alimento fazia parte essencial da dieta dos guerreiros em marcha. Os grandes exploradores ajudaram a difundir o uso e o cultivo de feijão para as mais remotas regiões do planeta.

Breve História das batatas

          A batata foi descoberta no Peru pelos espanhóis em 1536. Anteriormente, os Incas, praticavam o cultivo desse nutritivo tubérculo que até então era desconhecido. Os espanhóis levaram rapidamente a batata para a Europa onde ela foi usada como medicamento. De fato, registros da história revelam que o Papa Pius IV recuperou-se de uma doença por volta de 1570 após ter sido prescrito uma dieta de batatas rica em carboidratos.
          Os espanhóis chamaram a batata de "tartufo blanco" (tubérculo branco). Os alemães ainda usam a palavra "Kartoffeln", pois acreditavam ser derivado da palavra "tartufo.
   Também, nessa mesma época os ingleses descobriram a batata doce (Patata Dulce) no Caribe.
          No início do século XVII algumas pessoas acreditavam que a lepra, tuberculose e a sífilis poderiam ser curadas pelas bata
          Especialmente na Irlanda, a batata foi usada em grande escala na produção alimentícia no século XVIII. Uma desastrosa seca da batata nos plantios no século XIX causou a morte de milhões pela fome. mais de um milhão e meio de pessoas deixaram seus países, a maioria migrou para os Estados Unidos.
         No fim do século XVIII, agricultores de toda Europa começaram a cultivar batata. O rei da Rússia, Frederick "O Grande" ordenou que utilizassem somente a batata na alimentação. Uma guerra nos anos 1778-80 entre a Prússia e Áustria foi conhecida como "Kartoffelkrieg" (Guerra da Batata), pois os soldados se alimentavam a base de batatas. O plantio de batata teve um grande aumento com a Revolução Industrial. Hoje em dia 136 países cultivam batatas. Além de ser um alimento nutritivo, o amido e o álcool da batata podem ser utilizado para outras finalidades.

História do tomate

          O tomate é uma hortaliça originária de uma região situada na área que compreende do norte do Chile ao Equador, entre o Oceano Pacífico, os Andes, e as Ilhas Galápagos .
          Eu me lembro claramente do dia em que me contaram na escola que tomate não era legume. Meu mundo caiu. Até aquele dia, eu sempre pensei que tomate -sempre na seção de legumes da venda, feira e mercado -só podia ser legume. Mas não, tomate era fruta e eu tive que ler isso com meus próprios olhos no livro de ciências para poder aceitar aquele fato trágico. Eu me senti um completo ignorante ao descobrir aquilo, e caí na real que sabia muito pouco sobre as coisas que eu comia.
          De um certo modo, nós sabemos muito pouco sobre os alimentos que ingerimos. Pouca gente sabe, por exemplo, que o tomate -apesar de ser fruta – é um dos vegetais mais consumidos em todo o mundo.
          O centro de domesticação do tomate foi o México, de onde foi levado para a Europa no período entre 1535 a 1544. De início, o tomateiro era usado como planta ornamental sendo considerado venenoso pelos europeus. Somente a partir do século XIX é que ele passou a ser realmente consumido como alimento e se difundiu pelo resto do mundo, sendo atualmente a hortaliça mais industrializada e mais importante em termos de produção e valor econômico.
         O tomate pertence a um extenso rol de alimentos da América pré-colombiana totalmente desconhecidos do Velho Mundo antes das grandes navegações, do qual fazem parte o milho, vários tipos de feijões, batatas, frutas como abacate e o cacau (de cujas sementes se faz o chocolate), afora artigos de uso nativo que se difundiram, como o chicle (seiva de Sapota (ou sapoti)) e o tabaco. Estes alimentos só chegaram ao velho mundo no século XVI
          No Brasil, a cultura foi introduzida pelos imigrantes italianos na virada do século, tendo se incrementado com a vinda dos imigrantes japoneses. A sua industrialização iniciou-se durante a Segunda Guerra Mundial, tendo-se desenvolvido rapidamente a partir da década de 70. Hoje, o Brasil situa-se entre os maiores produtores mundiais, ao lado de EstadosUnidos e Itália.

FONTE: mundo camp.com.br