terça-feira, 3 de abril de 2012

A PRIMEIRA REPÚBLICA NO BRASIL

           Chamada também de República dos Excluídos por muitos historiadores, a República Velha configurou-se também numa República Oligárquica por ter sido um período da nossa história em que a elite latifundiária por meio de uma politicagem fraudulenta conseguiu permanecer no poder até a terceira década do século XX.
            Fruto da união de forças militares e civis, a República no Brasil inicia-se mexendo com tradições sociais seculares visto que no governo provisório de Deodoro da Fonseca instituiu-se a separação do Estado e Igreja. Valores até então vistos como verdadeiros e legítimos foram pouco a pouco se esvaindo do seio social, apesar de inúmeros protestos da população.
            Ainda nesse período conhecido também como República da Espada, dois acontecimentos de impacto social, o Encilhamento e a promulgação da primeira Constituição Republicana de 1891, afastaram ainda mais o povo da gestão pública e dos meios de produção essenciais ao desenvolvimento de uma vida cidadã.  Deodoro teve que dividir o poder com o Congresso e o Judiciário, visto que a primeira carta magna da republicana estabelecia três poderes: Executivo, Legislativo e o Judiciário.
            Com a renúncia de Deodoro, assume o governo Floriano Peixoto. Seu governo foi marcado pelo descontentamento das elites regionais, devido a aproximação do governo às camadas populares. Duas rebeliões armadas tentaram derrubar  o governo, pondo em risco a jovem República: Revolução Federalista ( Rio Grande do Sul) e a Revolta da Armada.       
            Não menos diferente, a maioria da população sofria com o aumento de impostos e o desemprego trazido pelo  Funding Loan. Estes ainda tiveram que assistir corte de despesas em infra-estrutura de primeira necessidade como construção de escolas e hospitais. O pagamento da divida externa brasileira sairia assim do bolso do povo que sofria com o descaso do governo.
            Nos seringais amazônicos a vida dos seringueiros era o de escravidão informal, em razão de um ciclo de dependência vicioso, onde eram obrigados a trabalhar para pagar dividas contraída com seringalistas donos do capital.  Nas fábricas, a nascente classe operaria brasileira trabalhavam em péssimas condições de trabalho e de salário.  No campo a formação de latifúndios submetia esta classe à dominação da elite agrária.
            Do outro lado dessa pujante situação social, estavam às oligarquias que desfrutavam de inúmeros e variados privilégios. Mecanismos de manipulação política foram uma constante nesse período, objetivando a permanência dessa classe no poder. O café-com-leite é um exemplo eminente desse período, uma vez que alternância de políticos de São Paulo e Minas Gerais na Presidência da República caracterizaram esta fase da nossa historia. 
            Por tudo isso, a Primeira República no Brasil foi alvo de inúmeras revoltas sociais que ameaçavam as estruturas sociais elitistas do período.  Tal circunstancia geraram conflitos armados entre setores das camadas populares e o governo que respondia com extrema violência aos revoltosos, uma vez que nenhum destes movimentos atingira  seus objetivos.    
            Vale destacar que muitos destes mecanismos de manipulação política oriundo deste período ainda se fazem presente em nosso meio, sustentando privilégios de poucos em detrimento da marginalização de muitos.                   
           

3 comentários:

  1. Obrigada estava precisando para meu trabalho u.u

    ResponderExcluir
  2. gostaria d saber qual saõ os fatos,causa e consequencia da primeira republica.

    ResponderExcluir
  3. É um conteudo que tras uma explicação muito emportante. Gostei muito, mas é interesante abordar um pouco sobre o cafe com leite aque foi consequencia da alianca (se posso chamar assim) entre Minas Gerais e São Paulo.

    ResponderExcluir